00:00:00
22 Jan

Sharecare dá dicas de como liderar com ansiedade no trabalho

12 de janeiro de 2021
61 Visualizações

O ano de 2020 foi, indubitavelmente, um ano atípico. O início do ano nos faz efletir sobre os desafios que enfrentamos e, também, sobre novas maneiras de combatê-los.
Embora a Covid-19 seja um tópico central do momento, outros problemas também merecem nossa atenção — e podem estar diretamente relacionados à pandemia. A ansiedade no trabalho é um deles.
Além de prejudicar a saúde mental da equipe como um todo, a ansiedade é um foco importante de gastos nas empresas. Controlá-la é, portanto, mais do que uma medida de saúde: é também uma estratégia econômica, que engloba a gestão de riscos e o departamento de Recursos Humanos (RH) das empresas.
Neste artigo, a Sharecare, empresa líder em inovação e digitalização da saúde, explica a importância do combate à ansiedade no trabalho e apresenta boas estratégias que podem ser empregadas nesse desafio.
O contexto da ansiedade durante a Covid-19
Atualmente, a saúde mental e a Covid-19 são temas indissociáveis. Por um lado, o agravamento da ansiedade pode aumentar os gastos em saúde e comprometer nossa produtividade — dois resultados que queremos afastar ao máximo durante a pandemia. Pelo outro, a infecção pelo coronavírus pode estar relacionada ao agravamento ou surgimento de quadros psiquiátricos, direta ou indiretamente.
Mesmo antes da Covid-19, a ansiedade no trabalho já era um tema que ganhava espaço nos holofotes. Em 2018, por exemplo, constatamos que a ansiedade crescia cerca de 2 vezes mais rápido do que outras doenças. Além disso, funcionários com transtornos mentais faziam 6 vezes mais visitas ao pronto-atendimento do que a população em geral. Esses dados levaram a ansiedade ao topo das prioridades das empresas.
Por esse motivo, a pandemia pela Covid-19 foi considerada um fator agravante sobreposto a uma situação que já despertava preocupações. Em junho de 2020, uma pesquisa da Willis Towers Watson evidenciou que 61% dos funcionários relatavam um aumento de ansiedade com a pandemia. Esse número sobe para alarmantes 92% quando analisamos apenas os empregadores.
Nesse contexto, o combate à ansiedade se torna outro desafio, paralelo ao combate à Covid-19. Controlar os estressores no trabalho pode ser uma estratégia a curto, médio e longo prazo — e trazer resultados tanto na gestão em saúde quanto na produtividade geral da equipe.
A relação entre estafa mental e ansiedade no trabalho
Existem diversos fatores, presentes na pandemia, que explicam o aumento no nível de estresse: a incerteza, o medo de demissão e a redução nas possibilidades de lazer são exemplos claros, que afetam diretamente a saúde mental. Eles são considerados, no entanto, fatores não-modificáveis, intrínsecos à pandemia, para os quais há pouco a se fazer.
Existe um fator, no entanto, que está ao alcance das empresas: a estafa mental. É inevitável que as circunstâncias exigem uma redução nos gastos e a manutenção da produtividade — o que pode levar, inevitavelmente, à sobrecarga dos funcionários da empresa. Esta é considerada, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), um dos principais fatores de risco para a saúde mental no trabalho.
Por esse motivo, o controle da estafa mental pode ser um dos principais focos de combate à ansiedade no trabalho. Estratégias cotidianas, como a flexibilização de horários e o feedback contínuo dos funcionários, pode trazer bons frutos à redução do estresse.
Além disso, podemos controlar fatores que contribuem para aumentar o estresse: a lista da OMS também coloca, por exemplo, as falhas de comunicação e a falta de clareza nas atribuições como fatores de risco para a ansiedade no trabalho.
O papel do RH no combate ao estresse
Contornar a ansiedade no trabalho é uma tarefa multidisciplinar, que envolve várias áreas da empresa. Destacamos como a gestão de saúde deve se preocupar com o estresse, devido ao seu impacto direto nos gastos em saúde e ao próprio crescimento da ansiedade; no entanto, outro grande setor envolvido no combate à ansiedade é o RH.
Afinal, como mencionamos, os atritos pessoais, a sobreposição de tarefas e as falhas na comunicação encabeçam os fatores de risco para a ansiedade no trabalho. Esses dados nos sinalizam que, na maior parte das vezes, é possível minimizar esses fatores investindo no diálogo e na organização.
Nesse sentido, o setor de RH se torna fundamental para atribuir com clareza e objetividade as tarefas de cada funcionário. Também é papel desse departamento a resolução de conflitos internos e o combate ao bullying dentro da empresa.
É fundamental que tais ações sejam vistas por uma perspectiva mais ampla do que apenas um investimento na autoestima do colaborador: afinal, elas também são consideradas medidas de saúde, e trazem implicações financeiras e produtivas à empresa.
Como manter a saúde e o bem-estar para a equipe
Reduzir o nível de ansiedade no trabalho, especialmente durante e após a pandemia pela Covid-19, pode parecer um grande desafio. No entanto, já contamos com estratégias consolidadas para a redução do estresse no ambiente de trabalho.
A seguir, traremos 3 passos que podem ser seguidos para lidar com a ansiedade no trabalho. Embora eles sejam especialmente importantes no período excepcional pelo qual estamos passando, podem também ser aplicados a outros momentos. Confira a seguir.
1. Realize um mapeamento da sua população
O primeiro passo para estabelecer uma estratégia eficaz no combate à ansiedade no trabalho é justamente conhecer o perfil de seus colaboradores. Dentre os dados que podem ser levantados estão a percepção do nível de estresse, possíveis causas para ele e a evolução desse nível ao longo do tempo.
Com esses dados, conseguimos identificar quais fatores podem estar causando um aumento no estresse da população; além disso, cruzando com outros dados do plano de saúde corporativo, podemos identificar se há a correlação do estresse e outras variáveis — como visitas ao pronto-atendimento ou a exacerbação de doenças crônicas.
2. Esclareça os caminhos e objetivos
Uma vez identificados os fatores que levam ao aumento do estresse, é preciso realizar um planejamento de controle desses fatores. Esse planejamento leva em conta, por exemplo, quais deles são modificáveis e o custo-benefício da implementação de novas medidas.
É preciso ter em mente, também, os objetivos principais da intervenção. Redução na percepção subjetiva de estresse laboral e nas agudizações de quadros psiquiátricos são exemplos de métricas que podem ser observadas. Com isso, você conseguirá, longitudinalmente, verificar se suas intervenções foram eficazes no combate à ansiedade no trabalho.
3. Garanta apoio profissional
Dada a complexidade do tema, é natural que o desafio pareça ser maior do que ele realmente é. Mensurar os níveis de ansiedade, correlacioná-los com outros dados e elaborar estratégias de intervenção eficazes são tarefas complexas, que envolvem várias áreas da empresa. Felizmente, temos décadas de estudos e metodologias consolidadas que podem ajudar nesse trabalho.
Na Sharecare, contamos com uma solução específica para a saúde mental. Com ela, realizamos uma avaliação completa do perfil de condições emocionais da população da empresa, estratificando níveis de gravidade e integrando o apoio a esses pacientes. Dentre nossas principais metas estão a redução de custos médicos, o aumento na qualidade de vida dos beneficiários e a melhora na produtividade da empresa.
A ansiedade no trabalho é um problema global, que impacta diretamente nos custos em saúde e na produtividade das empresas. Além de evidenciarmos um aumento em seus níveis nos últimos anos, a sobreposição com a pandemia pela Covid-19 pode agravar ainda mais o problema. Felizmente, contamos com métodos cada vez mais modernos e sofisticados para combater o estresse no ambiente laboral.

Spin Comunicação

You may be interested

Corretores da Previsul Seguradora vivenciaram dias de muita tecnologia e inovação São Francisco, nos Estados Unidos
Previsul
5898 Vizualizações
Previsul
5898 Vizualizações

Corretores da Previsul Seguradora vivenciaram dias de muita tecnologia e inovação São Francisco, nos Estados Unidos

Redação - 24 de maio de 2019

A viagem foi a premiação final da Campanha Sou + Previsul de 2018 Dez corretores da Previsul Seguradora tiveram uma experiência com muita inovação e tecnologia na…

Agricultores não devem perder prazo de aviso de sinistro
Seguro Agronegócio
52 Vizualizações
Seguro Agronegócio
52 Vizualizações

Agricultores não devem perder prazo de aviso de sinistro

Redação - 21 de janeiro de 2021

A safra de soja 2020/21 já enfrentou irregularidade das chuvas e o plantio registrou atraso em muitas regiões. De acordo com levantamento da consultoria AgRural, apesar da…

Capemisa anuncia novo gerente comercial
Capemisa
41 Vizualizações
Capemisa
41 Vizualizações

Capemisa anuncia novo gerente comercial

Redação - 21 de janeiro de 2021

A Capemisa Capitalização reforça seu time profissional neste início de 2021 e anuncia Pedro Gomes como seu novo gerente comercial. O executivo chega à empresa depois de…

Cursos livres abrem programação 2021 da Sala do Futuro
Escola de Negócios e Seguros
37 Vizualizações
Escola de Negócios e Seguros
37 Vizualizações

Cursos livres abrem programação 2021 da Sala do Futuro

Redação - 21 de janeiro de 2021

Ano novo, novas oportunidades de aprendizado. Com a chegada de 2021, começa também o período letivo na ENS. Em fevereiro e março, três cursos livres estão previstos…

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Mais desta categoria

WordPress Video Lightbox Plugin